Homem invade a Globo com uma faca e faz jornalista refém
Reprodução Internet
Homem invade a Globo com uma faca e faz jornalista refém


Preso preventivamente desde o dia 10 de junho de 2020 no presídio Evaristo de Morais, Thomas Rainer vai deixar a prisão e deverá seguir agora para um manicômio judicial. O processo estava suspenso a pedido da Defensoria Pública, que alegou que  o rapaz teria invadido a TV Globo com uma faca e feito a repórter Marina Araújo refém em razão de distúrbios mentais. A juíza responsável pelo caso direcionou Thomas para um Exame de Sanidade Mental, realizado no último dia 31 de março pelo Instituto de Perícias Heitor Carrilho. Este colunista teve acesso exclusivo a íntegra do documento assinado pelo médico Claudio Lyra Bastos e também pela psiquiatra katia Mecler. Nele, é atestado que Rainer sofre transtorno pscicótico e por isso ele passa a ser inimputável perante a Justiça pelos crimes de sequestro e cárcere privado.

Thomas Rainer invadiu a sede da emissora carioca no bairro do Jardim Botânico, na zona Sul do Rio por volta das 15h. Enquanto faz refém a repórter Marina Araújo com o emprego de uma faca, pedia para conversar com a âncora do Jornal Nacional Renata Vasconsellos, que fazia aniversário naquela mesma data. Marina Araújo alegou em sede policial que Thomas também praticou atos libidinosos com ela enquanto estava imobilizada. Ela afirmou em seu Termo de Declaração que ele beijava seu pescoço e forçava as partes íntimas contra seu corpo. O rapaz foi preso em flagrante e teve a prisão preventiva decretada pelos crimes de sequestro e cárcere privado.


Exame de Sanidade Mental de Thomas Rainer feito pelo Instituto de Perícias Heitor Carrilho
Reprodução documento
Exame de Sanidade Mental de Thomas Rainer feito pelo Instituto de Perícias Heitor Carrilho



Você viu?

Exame de Sanidade Mental de Thomas Rainer

A perícia médica descreveu no laudo a conversa que teve com o preso durante o exame. Segundo o documento, o rapaz negou que fazia tratamento ou que já passou por alguma internação psiquiátrica. Ele não soube informar sobre seu nascimento, mas informou que trabalhou aproximadamente três anos como recepcionista de uma rede de hotelaria em Vitória (ES) com carteira assinada. Após negar que faz uso de entorpecentes ou álcool, ele disse aos médicos que foi nesse emprego que teria tido o primeiro contato com a jornalista Renata Vasconsellos. Antes, fez questão de dizer que esteve em uma união estável dos 20 aos 25 anos e que o relacionamento acabou porque se apaixonou pela filha da ex-companheira.

O exame psiquiátrico aponta que Rainer relatou alucinações auditivas no passado. Foi exposto também que ele apresentou "conteúdo delirante de cunho místico religioso", e também "erotomaníaco, ou seja, um delírio de que está sendo amado por alguém". Thomas também apresentou falhas ao longo da avaliação quanto a sua identidade.

"Sou um profeta e cometi o crime para ser preso"

Ao períto, Rainer afirmou que seria um profeta. Ele disse à perícia que fazia perguntas para Deus, que teria sempre enviado respostas para que ele profetizasse para as pessoas. Ele afirmou também que foi durante o trabalho no hotel que teria tido o primeiro contato com Renata Vasconsellos, ocasião em que teria falado para a jornalista "que era louco por ela". Ainda segundo Rainer, ele já teria tentado contato com a apresentadora em 2019, mas somente em 2020 consegiu obter essa aproximação por meio do sequestro.

Depoimento de Thomas Rainer para o médico e a psiquiatra
Reprodução do laudo
Depoimento de Thomas Rainer para o médico e a psiquiatra

A conclusão do laudo apontou que Thomam Rainer "apresenta o diagnóstico psiquiátrico de Transtorno Psicótico", sendo então "portador de doença mental". Ainda de acordo com os profissionais de saúde responsáveis pela avaliação médica, "à epoca dos fatos narrados na denúncia, o periciado era inteiramente incapaz de entender o caráter ilícito dos atos a ele atribuídos". 

O exame também respondeu algumas perguntas do Ministério Público. Entre elas, que Thomas pode controlar os sintomas do transtorno psicótico que seria portador, como ideias delirantes e juízos falsos da realidade) através de tratamento psiquiátrico contínuo e permanente. Os médicos encerram a avaliação sugerindo a internação psiquiátrica do preso.

A juíza Simone de Faria Ferraz já teve acesso a conclusão do Exame de Sanidade Mental e já remeteu o documento ao Ministério Público, que também já informou no processo que tem ciência do documento, que "concluiu pela inimputabilidade do acusado."

Nos próximos dias a Justiça vai definir o futuro de Thomas Rainer.  Com o resultado da perícia médica judicial, ele deverá deixar agora a prisão e ser encaminhado para uma instituição, onde deverá iniciar uma internação com o propósito de tratar o transtorno psicótico do qual seria portador.

De acordo com o advogado criminalista Francisco Ortigão, ao ser declarado como inimputável mentalmente a justiça considera que a pessoa não tinha a condição de entender o caráter ilícito e proibido da conduta. "É o caso de piscopatas que não tem freios e referências morais, eles não conseguem ter esse freio moral no que tange ao conhecimento, a percepção e consciência sobre a proibição do cometimento do delito. A essas pessoas é imposta o que chamamos de sentença absolutória imprópria. Ela absolve o sujeito em razão da inimputabilidade mental, uma vez que é pressuposto do crime para sua responsabilização que a pessoa tenha conciência do caráter proibido da conduta, mas ela impôe a chamada medida de segurança que pdoe ser por internação em manicômio judiciário ou por tratamento ambulatorial, a depender do laudo médico que seja realizado ao longo do processo", explica o criminalista.

Ainda de acordo com o especialista, quando há essa internação, é feita após cinco anos uma revisão por uma junta médica para que se faça um novo laudo e seja revisto se essa pessoa possa voltar a conviver a sociedade. Na prática o que ocorre é que muito doentes mentais são abandonados nos hospitais psiquiátricos e ali passam uma vida inteira, muitas vezes em condições degradantes ou em condições que não viabilizam qualquer tipo de recuperação. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários