Funcionário da Renato Aragão Produções falsificou cheques em nome do humorista e roubou mais de R$ 3 milhões
Paulo Vito
Funcionário da Renato Aragão Produções falsificou cheques em nome do humorista e roubou mais de R$ 3 milhões


O humorista Renato Aragão e a esposa Lilian Aragão foram à delegacia e denunciaram um ex-funcionário da empresa  Renato Aragão Produções por desvio de mais de R$ 3 milhões. De acordo com o casal, Alexandre Reis Costa - que trabalhava como agente administrativo da companhia - falsificou cheques da empresa que eram assinados por Renato Aragão e adulterou o nome dos beneficiários para o seu próprio nome para sacar e roubar os lucros do artista.

O casal denunciou o antigo funcionário à polícia e em seguida também abriram um processo trabalhista contra o rapaz, que já foi denunciado à Justiça pelo Ministério Público após a conclusão do inquérito. O delegado pediu ao Ministério Público o indiciamento de Alexandre a partir das provas apresentados por uma perícia contratada pelo ator e a denúncia já foi aceita pelo órgão.


Renato Aragão também abriu um processo contra o banco. Na ação, ele afirma que o banco cometeu falhas de segurança ao receber cheques falsificados com sua assinatura e pede à instituição bancária a restituição dos R$ 3.341.500 desviados.

Ainda de acordo com a ação, durante seis anos o banco "recebeu cheques emitidos pela sociedade e originalmente destinados a Renato e a Lilian, porém grosseiramente adulterados, permitindo que mais de R$ 3 milhões fossem desviados para o ex-funcionário."

Alexandre teria cometido três tipos de fraudes contra o casal

A Renato Aragão Produções é uma empresa familiar fundado pelo artista e a esposa. Segundo consta nos autos processuais, Renato e Lilian são os únicos sócios e responsáveis por controlar todos os negócios do grupo, promovendo, ainda, a produção de filmes, programas de televisão e conteúdo audiovisual. Ainda de acordo com o processo, a empresa conta com funcionários incumbidos principalmente da execução de funcões administrativas.

Renato explicou ao juiz por meio do seu advogado que promove peridiódicamente a distribuição dos lucros e dividentos para ele e a esposa e que os pagamentos eram realizados mediante emissão de cheques nominaDOS para ele e a esposa. Todos eles eram assinados e conferidos pelo irmão já falecido Paulo Aragão, e em seguida eram entregues a Alexandre Reis Costa, funcionário que ficava responsável pelo pagamento das contas da empresa, para depósito na conta dos sócios.

Renato e Lilian desconfiaram que os valores que lhes eram transferidos a título de distribuição de lucros e dividendos não estavam sendo pagos corretamente. O documento doz que, após se aprofundarem sobre a situação, "descobriu-se que Alexandre adulterava os cheques emitidos pela Renato Aragão Produções, apagando os nomes de Renato e Lilian e indicando a si próprio como beneficiário do título. Na sequência, Alexandre promovia junto ao banco saques e depósitos em seu benefício", diz um trecho da acusação.

Renato Aragão conta que Alexandre foi prontamente desligado da empresa. Assim que o casal tomou conhecimento das fraudes, adotoraram todas as medidas em relação a Alexandre. Os dois apresentaram contra ele uma queixa-crime desencadeando o inquérito criminal na 38 Vara Criminal da Comarca da Capital. Os dois também ajuízaram contra Alexandre uma reclamação trabalhista que está em curso na 42 Vara do Trabalho do Rio de Janeiro.

Você viu?

De acordo com o processo criminal, este colunista obteve com exclusividade o parecer do Ministério Público que diz: "O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro ofereceu denúncia em face de Alexandre Reis Costa. Inicialmente verificou-se que prova de materialidade e indícios da autoria do crime, que decorrem das declarações e documentos que constam do inquérito", diz o trecho.

Adulterações foram confirmadas pela perícia


Em 2019, Ranato Aragão e a esposa submeteram a questão ao Centro de Perícias e Consultorias Empresariais, inclusive para calcular o montante do prejuízo. Após examinar os estratos bancários e as cópias microfilmadas dos cheques emitidos para distribuição dos lucros e dividendos, a perícia confirmou que Alexandre alterava os dados dos beneficiários dos cheques substituindo o nome dos sócios (Renato ou Lilian) pelo próprio. Em suma, de acordo com o laudo da perícia, Alexandre implementou três modalidades de fraudes.

Renato guardou as folhas de papel carbono de cada cheque assinado. As folhas ajudaram a comprovar a fraude. As folhas adulteradas levavam o nome de Alexandre, enquanto as do papel carbono continuavam com o nome do artista como beneficiário
Reprodução documental
Renato guardou as folhas de papel carbono de cada cheque assinado. As folhas ajudaram a comprovar a fraude. As folhas adulteradas levavam o nome de Alexandre, enquanto as do papel carbono continuavam com o nome do artista como beneficiário


Na primeira, ele sacava os cheques adulterados e depositava o dinheiro na sua conta e parte na conta do casal. Por meio dessa forma ele teria desviado R$ 245 mil. Em um segundo momento, Alexandre teria compensado os cheques integralmente em sua conta, por onde transferia parte do dinheiro de volta para conta do casal, oportunidade em que teria desviado R$ 700 mil. Já num terceiro momento, Alexandre compensava os cheques e sacava todo dinheiro sem que nenhum repasse fosse feito mais a Renato Aragão e sua esposa, totalizando o prejuízo de R$ 2 milhões e 396 mil. No total, a perícia apontou que Alexandre desviou para sua conta o montante de mais de R$ 3 milhões com os cheques adulterados.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários