Denilson e Belo
Reprodução/Instagram
Denilson e Belo


A promessa do acordo que estava sendo traçada entre o cantor Belo e Denilson na Justiça não terminou com êxito e o juíz manteve o cerco econômico ao pagadoreiro para a quitação de uma dívida de cerca de R$ 9 milhões a favor do o ex-jador de futebol. Em razão do acordo não ter ido para frente, a Justiça já solicitou a penhora de bilheteria do próximo show do cantor, que acontece dia 31 de julho, no Espaço das Américas, na Barra Funda, em São Paulo.

"(...) Fiquem à disposição deste juízo as quantias obtidas com a venda dos ingressos do show que o executado realizará, bem assim, para que informem a quantidade de ingressos vendidos, a arrecadação realizada e os valores já repassados ao executado, comprovando-se documentalmente nos autos do processo", diz o pedido no processo.


Em junho, este colunista teve acesso exclusivo a uma negociação proposta por Denilson para que o pagamento fosse quitado até o ano de 2032. Caso Belo aceitasse, ele ficaria livre de todas as restrições judiciais. O acordo estava praticamente certo para ser homologado, entretanto o cantor não se fez presente perante a Justiça para assinatura do termo.

Dessa forma, Belo continua enfrentando sérios problemas com as restrições judiciais impostas para a quitação da dívida contraída com Denílson. O problema surgiu há anos quando Belo decidiu deixar de ser o vocalista do grupo Soweto para ingressar na carreira solo. Denilson era empresário da banda e o cantor deixou o grupo sem pagar a multa prevista em contrato na época, e por isso acabou sendo cobrado por Denilson na Justiça.

Você viu?

Belo continua com shows penhorados
Reprodução processual
Belo continua com shows penhorados


O novo acordo que estava sendo traçado entre Belo e Denilson devolvia ao cantor uma segurança financeira e jurídica para continuar realizando seus shows. Conforme essa coluna também noticiou em primeira mão, toda bilheteria dos shows realizados por Belo está sendo penhorada pela Justiça. Dessa forma, nem os contratantes e nem o cantor estão vendo a cor do dinheiro até um cálculo ser feito pela Justiça, para que o montante referente ao pagamento dos funcionários e dos contratantes fossem liberados. Essa logística burocrática tem deixado os contratantes e as casas de shows preocupadas, uma vez que dependem ainda de todos esses trâmites legais para receberem seus respectivos pagamentos.

Acordo deixaria Belo livre das restrições judiciais financeiras

Se o acordo tivesse sido celebrado, o pagamento seria feito por meio de diversas parcelas até o ano de 2032, podendo ser quitado antes. O pagamento colocaria fim a todas as restrições judiciais impostas ao cantor para o pagamento da dívida. Essa liberação englobaria todos os bloqueios que o cantor sofria em suas plataformas digitais para comercialização das suas músicas, todas as bilheterias de shows, e ainda o bloqueio de todos os royaltys. Belo também deixaria de ter os cachês ofertados por programas de rádio e de televisão penhorados.

Como o acordo não foi celebrado, o dinheiro acumulado com a venda dos ingressos do show deste próximo final de semana (31) será repassado com a penhora inicialmente ao juiz, e posteriormente analisado pela Justiça, que continuará destinando ao cantor somente uma parte para manter suas necessides pessoais e também para o pagamento das despesas com funcionários e repasses aos contratantes. Uma vez celebrado, o acordo devolveria a Belo o direito de receber integralmente pelos shows realizados, assumindo então a obrigação de repassar para Denilson, "de boa fé", todos os valores mensais acordados até 2032.

Em contato com o advogado Marcus Roberto Barreto - que representa Denilson na ação da execução da dívida -  a coluna confirmou que o acordo não foi celebrado e que os pedidos das penhoras judiciais continuarão.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários